ESTE BLOG TEM A INTENÇÃO DE COMPARTILHAR O CURSO DE INTRODUÇÃO A EDUCAÇÃO DIGITAL ATRAVES DE TEXTOS RELACIONADOS A INFORMATICA NA EDUCAÇÃO, APRESENTAÇÕES DE ATIVIDADES, RELATORIOS DE AULAS, PLANOS DE AULAS, E MUITO MAIS...

BEM VINDOS

quinta-feira, 26 de maio de 2011

REFLETINDO SOBRE O MODO DE INSERÇÃO DAS TIC NAS ESCOLAS



Profª Claudia Clever[1]


O mundo contemporâneo apresenta mudanças que afetam todos os setores da sociedade, inclusive a educação.
Ao pensar a educação como espaço de sociabilização e a escola como um instrumento capaz de colocar as classes populares em contato com o conhecimento sistematizado ao longo da história da humanidade e em condições de enfrentar um mercado de trabalho cada vez mais competitivo, faz-se necessário, também, discutir a presença ou a ausência, além das formas de utilização, da tecnologia no mundo escolar.
Numa sociedade em transformação, a internet, juntamente com as tecnologias de telecomunicação, contribui para que o aluno aprenda a conviver com a diversidade, portanto, ela se apresenta como um potencial para produzir mudança revolucionária na educação e na sociedade.
Se pensarmos na Internet como uma tecnologia que possibilita o desenvolvimento de um ambiente de aprendizagem baseado na construção de conhecimento, sua presença em situações problematizadoras oportuniza aos sujeitos-aprendentes ter mais condições para desenvolver sua própria aprendizagem, pois esta tecnologia permite que eles se tornem participantes ativos na busca de conhecimento, definindo suas necessidades de intelectivas, encontrando informações, construindo suas próprias bases de conhecimento e compartilhando suas descobertas.
Navegar na Internet pode ser um processo de busca de informações que podem ser transformadas em conhecimento, gerando um rico ambiente interativo facilitador e motivador de aprendizagem, bem como pode ser um dispersivo e inútil coletar de dados sem relevância que não agregam qualidade pedagógica ao uso da rede.
Assim, cabe ao professor, profissional responsável pelo planejamento, desenvolvimento e avaliação dos processos de aprendizagem sob responsabilidade da escola, orientar os alunos no uso da Internet de modo que os conduza ao processo de construção do conhecimento.
O uso que o professor vai fazer do computador em sala de aula, hoje, vai depender, em parte, de como ele entende esse processo de transformação da sociedade que vem acontecendo, em grande medida em decorrência do desenvolvimento tecnológico, e de como ele se sente em relação a isso: se ele vê todo esse processo como algo benéfico, que pode ajudá-lo, na sua vida e no seu trabalho, ou se ele se sente ameaçado e acuado por essas mudanças.
Se o professor não entender o que está se passando ao seu redor, dificilmente conseguirá integrar o computador com naturalidade e sem receios infundados à sua prática pedagógica – dentro e fora da sala de aula.
O Ministério da Educação e do Desporto, através de sua Secretaria de Educação à Distância, tem estado especialmente através do PROINFO — Programa de Informática na Educação, ativamente envolvido na transformação da escola, bem como, as Secretarias da Educação dos Estados e mesmo dos maiores municípios do país também possuem seus programas suplementares nessa área. Pedra angular desses programas é a capacitação dos professores para entender, e lidar com, as novas tecnologias.
Para que possa usar, crítica e conscientemente, as tecnologias da informação em seu trabalho, o professor precisa, portanto, mais do que simplesmente treinamento técnico: precisa enfrentar seriamente um conjunto de questões, a maioria de natureza teórica e conceitual, que tradicionalmente ficam no âmbito da filosofia da educação.
A educação para a informática e a Internet precisa ser planejada desde os primeiros níveis de ensino. Sem preconceitos ou imposições, sem substituir o analógico pelo digital, mas reforçando a capacidade cognitiva dos alunos e guiando à descoberta de novos horizontes.
O acesso aos meios deve estimular a capacidade produtiva, apresentando os mais diferentes recursos e serviços disponíveis, sendo que, para isso, é necessária uma atualização constante dos professores e técnicos que trabalham com o conteúdo.




[1] Professora pedagoga, especialista em Psicopedagogia Clinica e Institucional, Mestranda em Psicologia educacional e social. Tutora Presencial da Universidade Luterana no Brasil (ULBRA) EAD.

2 comentários:

  1. a somatória do Ministério da Eduacação com seus programas de informatica para educação, e professores capacitados, trarão mudanças ineditas a nossa sociedade, atraves dos jovens que são a base da piramide, direcionado e ensinando-os a separar o jóio do trigo(conteudo da internet), os conhecimentos adquiridos os levarão com sertesa a um mundo melhor.

    ResponderExcluir
  2. os professores deverao aproveitar estes cursos e capacitarem, para poderem conduzirem nossa juventude novos horizontes onde o conhecimento será o grande diferecial.

    ResponderExcluir